quinta-feira, 23 de abril de 2015

UM VIDENTE ENTRE INCRÉDULOS


    

Um vidente entre incrédulos

    "Acorda cara, que porcaria é essa cara? Tá todo mundo ligado na parada e só tu nessa viagem, presta atenção cara!"
    "Qual é cumpadi?! Quando foi que eu dei furo? Diz aê! Tô só repassando o esquema. Dirige aê e me deixa quieto"
      Eram cinco no mesmo carro furtado dois dias antes. Quanta loucura! na hora de sair do carro o motorista se enganchou no cinto e por muito pouco não levou uma bala na cabeça. O mesmo que deu a bronca em Marcos há pouco, coçava o dedo pra atirar. Em qualquer oportunidade ele fazia questão de puxar o gatilho, mas até agora não havia cometido nenhuma besteira maior, no entanto Marcos sabia que cedo ou tarde Júlio cometeria algum assassinato e isso o deixava cada vez mais nervoso quanto ao futuro. Como tudo começou? Onde uma turma de adolescentes que gostava de beber e namorar tornou-se uma quadrilha de assaltantes? As lembranças de Marcos, misturavam-se com o conturbado momento presente. Cinco jovens com 15 a 17 anos em seu quarto ato criminoso. O primeiro foi um "sucesso", porém só Marcos e Fábio concretizaram o delírio irresponsável. Os dois vinham de uma festa de aniversário. Eram duas da manhã e os amigos de infância, já muito além do limite da embriaguez,  resolveram roubar um carro. Escolheram um Celta preto estacionado próximo a uma escola do bairro. O roubo foi mais fácil do que pensavam. O carro, além de não ter alarme, estava com o tanque cheio. Fábio, que já antes de Marcos, andava seduzido pela criminalidade, não teve dificuldades de fazer a ligação direta. Com esse carro, encontraram Tiago, Felipe e Jonas. Estava formada a quadrilha dos  meninos da rua 12. 
     Em troca do carro conseguiram as armas, com as armas veio o segundo crime. A farmácia central era movimentada e oferecia ótima rota de fuga. Nesta ação os meninos da rua 12 lucraram muito e com isso vieram todos os deleites que o mundo oferecia e que só dinheiro poderia comprar: prostituição, drogas, bebidas, roupas, luxo... ostentação. A vizinhança começou a desconfiar e a bandidagem passou a integrar os meninos em seus círculos. Logo os garotos começavam a trocar a infância por uma falsa maturidade. Neste cenário só Marcos não aparentava curtir o momento em sua totalidade. Sempre havia uma incômoda capacidade de reflexão que o deixava nervoso e com raiva de si mesmo. "Porque não curto como os outros? Porque não consigo esquecer o que fiz e encaro tudo numa boa como Júlio faz? Porque há sempre uma voz em minha cabeça tirando minha paz?". Sua mãe sempre dizia que essa voz era o Espirito Santo a orientá-lo e que por mais que Marcos quisesse, jamais se livraria daquilo. Ela sempre repetia: "João 6:37, ...aquele que o Pai me der, esse virá a mim; e o que vem a mim, de maneira alguma o excluirei.", e finalizava dizendo que a vida de Marcos fora comprada a preço de sangue e que mesmo no mais profundo poço, Deus não permitiria que uma ovelha sua se perdesse tão facilmente. Toda aquela conversa parecia estar tatuada em sua memória. Ele lembrava que dos 12 aos 15 anos sua vida era a igreja e que uma amizade muito forte havia sido rompida. Sentia-se vazio e sabia que só havia uma coisa que podia preenchê-lo de verdade. Esse algo não estava nos frutos atraentes que o mundo oferecia, mas dentro dele, em algum lugar que só uma oração silenciosa poderia revelar e era isso que não o deixava em paz. Júlio, sempre observador, já notara o olhar distante do amigo e isso também o incomodava muito.


*   *   *

     O terceiro crime fora o mais tenso até agora. Ao roubar a farmácia, apesar do alto faturamento, os meninos viram que não era viável assaltar a pé. O risco de ser pego era muito grande, então decidiram roubar outro carro que fosse pequeno e veloz. Em um sinal movimentado escolheram sua vítima. Era um Peugeot prata, aparentemente novo. Júlio antecipou-se, sacou a arma e bateu o cano no vidro do carro, como não teve resposta atirou para o alto. Isso assustou as pessoas que passavam e chamou a atenção de todos ao redor. Eram nove da noite e ainda havia trânsito intenso no local. O motorista trêmulo e assustado abriu a porta do carro, mas enganchou-se no cinto. Isso irritou profundamente Júlio que encostou o cano do revólver na cabeça do motorista. Pela primeira vez, após muito tempo, Marcos permitiu sair de seus lábios uma breve, silenciosa, mas verdadeira oração: "Senhor, não permita" Nesse instante Júlio recolheu a arma, mas por algum motivo o homem do carro olhou para Marcos e disse: "Nove, um, sete". Sem tempo pra pensar Marcos entrou no carro com os comparsas em meio sensações de medo, terror e trevas.



*   *   *

    Guardaram o carro em um sítio pouco visitado da família de Felipe. Comemoraram o feito com muito bebida e drogas. Nesta noite Marcos estava bem. Ria e lembrava detalhes mínimos da ação. Júlio estava feliz com Marcos. Essa era a atitude que ele queria do colega. Nada de reflexões. A ordem era curtir o que a vida lhes oferecia. "Vou ver o tem pra gente lá dentro." Marcos levantou-se e inspecionava o carro em todos os compartimentos. Ao achar um relógio no porta-luvas saiu do carro e acenou para os amigos avisando que teria direito à posse do achado. Ao entrar novamente, visualizou um pequeno livro no banco de trás. No escuro não percebeu, mas ao acender a luz interna pode ver que era uma Bíblia. Folheou algumas páginas sem muito interesse e jogou-a de volta no banco de traz. Era tarde e os cinco amigos, cansados, caíram adormecidos sem se importar nem perceber a gravidade de seus atos.
      Quando o celular tocou já eram nove da manhã. Marcos sentia uma forte dor de cabeça, resultado das cervejas e drogas da noite passada. Felipe, e os outros faziam um lanche na cozinha e Júlio conversava atentamente pelo telefone: "Pode crer irmão, os meninos da rua 12 vão tá lá e mostrar serviço, deixa com a gente. Falô mano!" Ao desligar o celular, Júlio deu um grito e chamou todos para o terraço. Havia novidades importantes: "Seguinte, recebi uma ligação do Cachorrão e ele falou que a gente tá chamando muita atenção e que é melhor se juntar cum a galera dele, assim nós vamo ganhar respeito e muito mar dinheiro. O homi tem um serviço e quer que a gente participe. Qual é a de vocês? Tamo junto?" Todos vibraram com a notícia, inclusive Marcos, que acreditava ter se livrado da tal voz na sua cabeça, embora ainda sentisse algum incômodo no peito.


*   *   *

   Estavam agora os cinco garotos, a quadrilha dos meninos da rua 12, no carro furtado na noite passada. Júlio dirigia, ao seu lado estava Felipe e no banco de trás estavam Marcos, Tiago e Jonas e é exatamente neste momento que a aparente distração de Marcos incomoda Júlio. 
   "Acorda cara, que porcaria é essa cara? Tá todo mundo ligado na parada e só tu nessa viagem, presta atenção cara!"
    "Qual é cumpadi?! Quando foi que eu dei furo? Diz aê! Tô só repassando o esquema. Dirige aê e me deixa quieto"
   No seu recolhimento Marcos sentia o coração apertado como se soubesse que algo muito ruim estaria por acontecer. "Relaxa mano, a gente vai tá curtindo muito hoje a noite" dizia Jonas ao colega pensativo percebendo que algo não estava bem com ele. Marcos relaxou e em menos de 30 minutos chegaram no local marcado.
   Uma velha fábrica abandonada abriu seus portões para os meninos da rua 12. Lá dentro estavam Cachorrão e sua quadrilha. Eram 8 dos bandidos mais perigosos do estado. A maioria já havia sido presa e para eles já não havia nenhuma ansiedade, temor ou receio. Aquela seria apenas mais uma "parada", mais um "lance" a ser feito. Se desse certo, beleza, senão, a vida é assim mesmo. O alvo era uma transportadora de valores. Cachorrão sabia que a empresa receberia uma carga valiosa de relógios de luxo. Se desse tudo certo, após a venda do material cada um lucraria o bastante pra sumir por um bom tempo vivendo como um rei. Cachorrão detalhou as ações de cada um, mas a participação dos meninos exigia mais "coragem", e só os garotos da rua 12 poderiam fazer bem feito. Pela primeira vez a percepção incômoda de Marcos mostrou-se claramente vantajosa e ao mesmo tempo injusta, pois ao mesmo tempo em que percebeu que Cachorrão os usaria como escudo, também notou que só ele via isso. Marcos achou prudente silenciar e só depois avisaria aos colegas.
   Saíram todos em três carros. Duas caminhonetes levavam a quadrilha de cachorrão, os meninos seguiam na frente do grupo, já antecipando sua função de escudo. "Aê galera, alguém ai tá ciente que a gente tá entrando num fria? O cara vai botar a gente de escudo, ninguém notou?" "Qualé Marcos, vai começar a impregnar. Sussega aê mano. Se a gente fizer o serviço na responsa o cara vai meter a gente notras fita melhor ainda. Se liga mano, num  vai furar hein?!" Júlio cortou imediatamente qualquer tipo de consideração contrária ao que decidira o líder Cachorrão e assim, Marcos sentia-se cada vez mais como um estranho no ninho. Parecia o único a ver a luz real, sem sombras. Era um vidente no meio de cegos.


*  *  *

    "Todo mundo no chão. Se colaborar ninguém vai morrer. Júlio, leva teu grupo pro portão principal. Fica lá até a gente rapar o cofre. Vai mano, num temo temp..." PA, PA, PA, "Polícia! Mão na cabeça malandro senão leva chumbo", "Sujou, sujou..." PA, PA, PA, RATATATATATATATA, "Corre mano corr... RATATATATATATA", "Júlio, Júlio, acorda mano", "Deixa ele cara, já era num tá ven... olha os polícia mano, mete bala" PA, PA, PA, PA, RATATATATATATA, PA, PA, PA, "Os home tão matando tudo, mataram o Jonas... corre mano corre" PA, PA, RATATA, "Ai meu Deus levei um  ti ro  no  pe  i   to...", "Felipe, Felipe... meu deus me ajuda, num me deixa morrer...". Só uma luz brilhou naquele momento. Havia uma pequena porta entreaberta no fundo do salão  pela qual se esgueirava um fino raio de luz. Marcos arrastou-se em meio aos corpos caídos de todos aqueles que, há pouco, jamais poderiam supor ou imaginar a fragilidade da vida. Quando abriu a porta, um esquadrão de policiais descansava da batalha, alguns feridos e dois mortos. Um oficial olhou para aquele garoto, sujo de sangue, chorando e pedindo pra não morrer. O homem se dirigiu ao garoto e repetiu mais uma vez sua enigmática mensagem: "Nove, um, sete. Leia, depois devolva minha bíblia, meu carro e meu relógio." Marcos levou seu olhar para salmos, capítulo 91, versículo 7 e leu com os olhos lavados de lágrimas:


"Mil poderão cair ao seu lado; dez mil, à sua direita, mas nada o atingirá."




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opinião:

Translate